PLANEJAMENTO COMIDINHAS

Entrevista com Onildo Rocha: Como escolher o buffet da festa de casamento?

Sáb, 08/Abr/2017

ENTREVISTA ONILDO ROCHA [RAQUEL FARIAS]

Especialmente para nossas leitoras fizemos uma entrevista com o chef Onildo Rocha da Casa Roccia, onde ele esclarece todas as dúvidas sobre buffet, o que se deve fazer, como se deve fazer e o que não pode faltar de jeito nenhum para trazer um serviço super especial no seu grande dia.

 C&C: Qual o seu conselho na hora de montar o menu  que será servido na festa?

Onildo Rocha: A gente tem que conhecer bem o perfil dos convidados, deve- se atender as restrições alimentares e culturais, como veganos e vegetarianos. Oferecer o máximo de diversidade de comida possível para atender as todas as possibilidades e gostos. Procuramos sempre respeitar o público e o número de pessoas convidados. 

C&C: Quais são as etapas essenciais para o serviço de um bom buffet?

Onildo Rocha: Primeiramente um coquetel volante, ter o momento das entradadinhas ou mesa de frios e em seguida servir um jantar.  Se você chama para uma festa à noite tem que ter um prato quente, mesmo que seja um mini empratado ou servido em uma mesa permanente. Podemos inclusive servir o prato quente saindo um pouco do tradicional, mas ter o momento do jantar é indispensável. Por últimos, os doces e as sobremesas.

C&C: As refeições em porções menores estão cada vez mais presentes nos buffets e muitas se confundem com finger foods. Quais são e qual a diferença? 

Onildo Rocha: finger food como o próprio nome já diz, é uma comida que você come com os dedos/mãos, sem auxílio do talher, mas é um alimento elaborado, mais substancial que um salgado, por exemplo da clássica colherzinha japonesa. Existe o serviço chamado mini loucinha que são porções pequenas servidas em mini louças com auxílio de pequenos talheres, não oferece saciedade como um jantar e você consegue se servir várias vezes. E tem ainda o mini empratado, funciona como um jantar e pode ser servido em duas etapas, como um risoto e uma massa, por exemplo. O arroz jasmini com cubinhos de frango oriental pode ser servido como mini empratado também.  

C&C: O que está out nas festas de casamento?

Onildo Rocha: Já está totalmente fora são aqueles empratados tradicionais, o jantar sentado à mesa que as pessoas esperam os pratos prontos. 

C&C: Quais são as tendências para o serviço de buffet?

Onildo Rocha:  Acredito nas ilhas de serviços, pois deixa a festa mais dinâmica com várias ilhas acontecendo ao mesmo tempo durante o evento.  A cada dia, as ilhas estão acontecendo mais nas festas de casamento. Uma das coisas novas que Casa Roccia vem trabalhando é a questão de pontuar cada momento da festa, dando início, meio e fim bem determinado. A festa contínua, com todos serviços expostos ao mesmo tempo causa um pouco de confusão, pois você não tem uma definição. Isso ainda é uma barreira cultural que enfrentamos, pois as pessoas acham que não serão bem servidos. Mas pontuar cada momento da festa vai ser a forte tendência, pois o serviço acontece por etapas: servir um coquetel volante, depois mini empratados, uma ilha gastronômica (momento do jantar), doces e sobremesas e por fim o lanche da madrugada. Assim, todos aproveitam mais a festa, com momentos definidos e inclusive faz com que a festa tenha um custo menor.

C&C:  Qual o seus conselhos indispensável para a noiva contratar um buffet?

Onildo Rocha:  Primeiro, confie muito no serviço que você está contratando. Segundo, se identifique muito com o que vai ser servido. E por fim, fique atento aos preços e ao que está sendo oferecido, tem coisas que são incompatíveis e são vistos a olho nu, não se engane. Cuidado para não mascarar um problema que vai acontecer. Sempre vale a pena investir no que você quer de verdade, corra atrás do que você sempre sonhou, dessa maneira vai dar tudo certo.

Fotos: Raquel Farias

Veja também:

Delícias para casamento do menu Roccia {editorial}


Posts Relacionados